Programas de governo

Sábado, 13 de Setembro de 2014

Não podemos ser indelicados para dizer logo no título que não é lá “grande coisa”. Mas alguém precisa dizer, já que os analistas políticos e os jornalistas não falam com precisão e firmeza que não são tão importantes como querem fazer crer.

É comum se ouvir que isso e aquilo “está no nosso programa de governo”. Papel aceita tudo mesmo. Pelo que consta neles, suíços e noruegueses morreriam de inveja dos brasileiros.

Mas essas previsões programáticas deveriam ser mais bem analisadas pelos especialistas. A maioria dos que prometem nos seus escritos já são políticos há décadas e já têm um histórico de promessas descumpridas. Pelo que me lembro, Dilma garantiu 6 mil creches na campanha anterior. De vez em quando se falava quantas tinham sido construídas. Agora nas campanhas nem são lembradas. Parece ser proibido falar disso.

Geraldo Alckmin está no comando do estado de São Paulo desde 2001 e, com a naturalidade de uma debutante, faz várias promessas na sua campanha eleitoral. Nem a maior crise de abastecimento de água de sua história faz arrefecer a sanha de promessas do candidato, eterno governador.

Num comício no Nordeste eles prometem acabar a transposição do rio São Francisco que ninguém mais sabe a quantas anda. Assim, promete-se resolver todos os problemas de cada região, de cada grupo social, de cada comunidade e até de pessoas individualmente.

Não ponderam nem com relação às possíveis contradições. São capazes de prometer aos evangélicos que vão retirar todos os símbolos católicos de instituições públicas e, ao mesmo tempo, são capazes de garantir aos católicos não só a manutenção, como até a ampliação.

Todos são unânimes em defender implicitamente o direito à igualdade entre as pessoas, como se tivesse força para fazer algo contrário às regras constitucionais, mas ninguém defende o casamento entre pessoas do mesmo sexo de forma explícita. Colocam a matreira conversa de que são favoráveis à união estável, ao direito de herança dos bens, mas nunca a favor do matrimônio clara e objetivamente.

Outro exemplo crasso é dizer que vai diminuir carga tributária e aumentar a arrecadação. E não há quem questione com veemência essas contradições. Quando se procede dessa maneira, como fez os âncoras do Jornal Nacional, causa estranheza nas pessoas, indignação nos correligionários e expressões raivosas nos entrevistados.

Quando já foi prefeito, governador, presidente, quem já exerceu vários cargos e se candidata pela milésima vez, em qualquer outro lugar do mundo, não teria mais o direito de prometer. A cada promessa perderia alguns votos. Isso poderia ser feito pelos novatos.

Enaltecer o que está em programas é tão descompromissado e ingênuo quanto quem vota pelo que neles está escrito. Papel aceita tudo e não há prova maior do que as próprias leis que são letras mortas neste país e os programas de governo que são verdadeiros abortos prévios.

As opiniões, conceitos e pareceres do autor não refletem necessariamente a linha editorial do NorteRS.

Fotos

Tags
Categoria: Opinião

Veja também:

Comentários

  1. Nenhum comentário postado. Seja o primeiro!

Postar um Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos Obrigatórios *


Código de Segurança


Ao clicar em "Postar comentário", você estará assumindo total responsabilidade sobre o conteúdo de sua mensagem, além de estar implicitamente concordando com as regras apresentadas acima. Por medidas de segurança, seu ip 54.225.43.188 também será armazenado.