NORTE RS - -
   Cadastrar          Login
  Icone Facebook Norte RS Icone Instagram Norte RS Icone Contato Norte RS
Logo Norte RS
 

Publicidade Norte RS

Demissão de Mandetta: cronologia de um divórcio consensual

O presidente Jair Bolsonaro demitiu nesta quinta-feira Luiz Henrique Mandetta como ministro da Saúde, após várias semanas de tensões que se agravaram no mesmo ritmo da pandemia do novo coronavírus, que já causou quase 2 mil mortes no Brasil.

Brasil

Data da Publicação da Notícia : 17/04/2020 - 09:20

 
Foto Notícia Geral

Desde que o vírus foi detectado no país, no final de fevereiro, Mandetta manifestou publicamente suas divergências com o presidente Bolsonaro quanto à necessidade de impor à população o isolamento social, medida que conta com forte oposição do presidente, que enfatiza a necessidade de reativar a economia.

A saída de Mandetta estava sendo especulada há vários dias, mas se concretizou nesta quinta-feira, após alfinetadas do agora ex-ministro em entrevistas e desafio ao isolamento social por parte do presidente, que, ao anunciar a troca de comando da pasta da Saúde, a tratou como um "divórcio consensual".

 

Confira a cronologia dos principais eventos e desentendimentos entre Bolsonaro e Mandetta:.

 

- 26 de fevereiro: Primeiro caso do novo coronavírus no Brasil.

- 15 de março: O presidente Jair Bolsonaro participa de uma manifestação em Brasília a favor de seu governo, contrariando as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do próprio Ministério da Saúde.

- 17 de março: Primeira morte por Covid-19 no Brasil.

- 20 de março: Surgem as primeiras discrepâncias entre Bolsonaro e Mandetta. Enquanto o presidente insiste em criticar as recomendações dos estados para suspender cultos religiosos e fechar shoppings, o ministro adverte que o sistema de saúde entrará em colapso nos próximos meses se o ritmo de contágios não diminuir.

- 22 de março: Mandetta alerta sobre o uso de cloroquina, droga defendida repetidamente por Bolsonaro para o tratamento da Covid-19, apesar de não haver estudos médicos conclusivos sobre ela.

- 23 de março: a popularidade de Mandetta durante a gestão da crise de saúde começa a ofuscar Bolsonaro. Segundo uma pesquisa do Instituto Datafolha, a aprovação da gestão do ministro durante a pandemia chegou a 55%, enquanto a de Bolsonaro foi de 35%.

- 24 de março: Estado mais atingido pela pandemia no Brasil, São Paulo anuncia o início de uma quarentena para conter a propagação do coronavírus, uma medida que foi duramente criticada por Bolsonaro.

O Ministério da Saúde apoiou a quarentena, mas sugeriu que a medida, por ser um "remédio extremamente amargo", poderia ser limitada a "um bairro ou uma cidade", em vez de afetar todo um estado.

- 28 de março: Enquanto os apoiadores de Bolsonaro promovem campanhas para acabar com o confinamento, o ministro da Saúde reforça a necessidade de manter o isolamento social, defende que os brasileiros devem ficar em casa e ressalta que sua equipe será orientada apenas pela "ciência".

- 29 de março: Bolsonaro, contrariando as recomendações de isolamento social defendidas pela Mandetta, visita vários estabelecimentos em Brasília.

- 30 de março: Após chamar a Covid-19 de "gripezinha", Bolsonaro infla seu discurso e pede um "pacto nacional" para preservar a vida, "mas também empregos". Mandetta insiste sobre a necessidade do isolamento social.

- 1º de abril: Um dia depois de baixar o tom de seu discurso, Bolsonaro volta a criticar os governadores e usa o Twitter para divulgar um vídeo com conteúdo falso sobre desabastecimento na Ceasa de Belo Horizonte. Posteriormente, ele apagou a postagem de sua conta.

- 2 de abril: Aumentam as divergências entre Bolsonaro e Mandetta, acusado pelo presidente de "falta de humildade".

- 3 de abril: Aprovação do Ministério da Saúde continua a crescer em meio à crise do coronavírus e atinge 76%, mais que o dobro da obtida pelo presidente, que cai para 33%, de acordo com pesquisa do Datafolha.

- 5 de abril: Bolsonaro garante que não "tem medo" de demitir membros de seu governo que "se tornaram estrelas". A tensão entre Mandetta e o presidente aumenta.

- 6 de abril: Após várias conjecturas sobre sua saída, Mandetta confirma a permanência no cargo. "Continuaremos enfrentando nosso inimigo (o coronavírus)", disse ele após uma reunião com Bolsonaro e outros ministros.

- 12 de abril: Após alguns dias com tom mais ameno, Mandetta faz uma crítica velada a Bolsonaro e exige um "discurso unificado" do governo para combater o coronavírus, em entrevista à "TV Globo". A mensagem gerou descontentamento no governo.

- 15 de abril: Em entrevista à revista "Veja", Mandetta diz que ficará no cargo "até encontrarem uma pessoa para assumir" a pasta e revela desgaste com a situação: "permanecer no governo? Não, não. São 60 dias nessa batalha. Isso cansa!".

- 16 de abril: Bolsonaro demite Mandetta e anuncia Nelson Teich como novo ministro da Saúde.


Publicidade 660-110
 

Galeria
 
 
TAGS:
CATEGORIA: Economia e Política
Fonte:
Colunista:
Arquivo:
Visualizar arquivo cadastrado

Voltar ao topo
 


Publicidade Norte RS
Publicidade Norte RS
Publicidade Norte RS
Publicidade Norte RS

 

EUA proíbem entrada de viajantes que passaram pelo Brasil

 

CAIXA abre oito agências no norte e noroeste gaúcho neste sábado para pagamento do auxílio emergencial

 

Contrato para execução da segunda etapa de construção do viaduto Viaduto Edemir Castelli é assinado

VER TODAS AS NOTÍCIAS +


FAÇA O SEU COMENTÁRIO

Seu endereço de email não será publicado

MAIS VISUALIZADAS

 

Confira a Programação Natal Alegria 2018 de Carazinho

 

Aqueça este inverno com um chocolate quente super cremoso

 

Covid-19: Brasil tem mil novas mortes e total chega a 21.048

VER TODAS AS NOTÍCIAS +


Publicidade Norte RS
Logo Norte RS
Icone Facebook Icone Instagram Icone Contato


Icone Base Contato ENTRE EM CONTATO
 
 

NORTE RS
(54)9942-6757
(55)8442-4962
atendimento@norters.com.br

Icone Base Menu MENU NORTE RS
 
VARIEDADES
ECONOMIA E POLÍTICA
VÍDEOS
SAÚDE E BEM-ESTAR
ENTRETENIMENTO
POLICIAIS
 

ESPORTES
COLUNISTAS
OBITUÁRIO
GASTRONOMIA
EDUCAÇÃO
ESPECIAIS
CARIJÓ DA CANÇÃO GAÚCHA
 
 
NORTE RS. Todos os direitos reservados.
Logo Estúdio Sul