NORTE RS - -
  Icone Facebook Norte RS Icone Instagram Norte RS Icone Contato Norte RS
Logo Norte RS
 

Publicidade Norte RS

Palestra com juiz do Trabalho Ricardo Jahn lança novo curso de Direito do CESURG

Sarandi

Data da Publicação da Notícia : 09/06/2018 -

 
Foto Notícia Geral
Juiz do Trabalho palestrou sobre "Terceirização nas relações de trabalho e as responsabilidades das empresas"
Foto: CESURG

O CESURG lançou oficialmente o novo curso de Direito na noite desta sexta-feira (08), em ato realizado no Auditório da faculdade em Sarandi. Recomendado com o conceito 4 pelo Ministério da Educação (em uma avaliação de 1 a 5), o curso do CESURG é avaliado pelo MEC como o curso de Direito com o melhor conceito de Sarandi. O novo curso já está com inscrições abertas no Vestibular de Inverno, no site www.cesurg.com.br/vestibular.

O lançamento oficial ocorreu com uma palestra ministrada pelo Dr. Ricardo Jahn, juiz do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho de Santa Catarina, pautada pelo tema "Terceirização nas relações de trabalho e as responsabilidades das empresas". O evento contou ainda com a presença do diretor-presidente da faculdade, Eduardo Toledo Martins, o representante da OAB de Sarandi, Dr. Jeferson Luis Vicari, e a representante do Poder Executivo Municipal, professora Beti Santos, além de docentes, estudantes e profissionais do campo jurídico.

Ao destacar o novo curso de Direito do CESURG, autorizado pelo Ministério da Educação por meio da Portaria nº 370, de 28 de maio de 2018, publicada na edição de 30 de maio do Diário Oficial da União, o diretor-presidente Eduardo Toledo Martins comentou o conceito atribuído pelo MEC. “Abrirmos o curso já com o conceito 4 segundo o MEC demonstra a correta caminhada do CESURG para ofertar ensino de qualidade aos estudantes. A comunidade regional também é diretamente beneficiada, pois conta com as atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão desenvolvidas pela faculdade. Essa qualificação representa que estamos no caminho certo”, disse Martins.

Em suas explanações, Jahn alertou que, de cada 100 trabalhadores brasileiros, cerca de 25 são terceirizados. “O número de acidentes de trabalho tem crescido muito, principalmente entre os terceirizados. Cerca de 75% dos acidentes com trabalhadores acontece com esses trabalhadores terceirizados. Essa proporção é muito alta”, afirmou, ao relatar que, atualmente, há aproximadamente 12 milhões de trabalhadores terceirizados no Brasil, de um universo de 50 milhões.

Ainda que a empresa terceirizada seja responsável pelo empregado, o juiz do Trabalho afirma que a contratante também é responsável pela segurança no local de trabalho. Ao apresentar um case de um acidente com um trabalhador terceirizado, Jahn relatou que a empresa terceirizada não teve condições de arcar com a indenização do acidente, “então, a empresa contratante (empresa mãe) teve de arcar com essa despesa. Também por isso é importante que as empresas contratantes contratem terceirizadas responsáveis”, ponderou, ao acrescentar que “a proporção de acidentes com trabalhadores terceirizados está aumentando, e com o aumento das terceirizações a partir das novas legislações, isso tende a aumentar gradativamente”.

A terceirização está diretamente ligada a flexibilização da relação de trabalho. Ao refletir a respeito, o juiz do Trabalho afirmou que “flexibilizar a legislação pode ocorrer pela desregulamentação ou pela redução dos direitos do trabalhador. Independente disso, o trabalhador que está realizando um trabalho terceirizado tem de ter a mesma segurança que um colaborador direto”, pontuou, ao acrescentar também que há muitos desafios pela frente com as novas legislações trabalhistas. “Há a possibilidade da convivência, em um mesmo ambiente de trabalho, de um empregado direto, um empregado terceirizado, um empregado autônomo, um empregado cooperativado, às vezes em condições adversas. Essa realidade vai passar a acontecer ainda mais, de profissionais com diferentes relações de trabalho ocuparem o mesmo espaço físico. E todos precisam ter condições de segurança garantidas”, refletiu Jahn, que também abordou a evolução da terceirização nas relações de trabalho do Brasil, que culminou com a atual regulamentação da Lei da Reforma Trabalhista, e como os tribunais estão compreendendo a responsabilidade das empresas. 

Publicidade 660-110
 
 
TAGS:
CATEGORIA:
Fonte: assessoria de imprensa CESURG
Colunista:Perfil NorteRS

Voltar ao topo
 


Publicidade Norte RS
Publicidade Norte RS
Publicidade Norte RS
Publicidade Norte RS

 

Bolsonaro diz que dinheiro para a primeira dama Michele foi pagamento de dívida

 

Unimed Noroeste/RS qualifica sua Rede Prestadora de Serviços

 

Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros

VER TODAS AS NOTÍCIAS +


FAÇA O SEU COMENTÁRIO

Seu endereço de email não será publicado

MAIS VISUALIZADAS

 

Noite Gauchesca emociona munícipes barrafundenses

 

Suspeito de roubo a farmácias é preso em Carazinho

 

Por que as cooperativas encerram atividades?

VER TODAS AS NOTÍCIAS +


Publicidade Norte RS
Logo Norte RS
Icone Facebook Icone Instagram Icone Contato


Icone Base Contato ENTRE EM CONTATO
 
 

NORTE RS
(54)9942-6757
(55)8442-4962
atendimento@norters.com.br

Icone Base Menu MENU NORTE RS
 
VARIEDADES
ECONOMIA E POLÍTICA
VÍDEOS
SAÚDE E BEM-ESTAR
ENTRETENIMENTO
POLICIAIS
 

ESPORTES
COLUNISTAS
OBITUÁRIO
GASTRONOMIA
EDUCAÇÃO
ESPECIAIS
CARIJÓ DA CANÇÃO GAÚCHA
 
 
NORTE RS. Todos os direitos reservados.
Logo Estúdio Sul