Notícias - Terça-feira, 11 de Dezembro de 2012

A assustadora violência às crianças e adolescentes por causas externas

A assustadora violência às crianças e adolescentes por causas externas

Postado por Romone Carla Oro

Diariamente temos informações de casos de extrema violência praticados contra crianças e adolescentes. Paralelo a isso, acontecem graves violações a todas as regras protetivas à família e à criança existentes no país, em especial os proclamos da Constituição Federal (art. 227) e o Estatuto da Criança e Adolescente (ECA-art. 4º), além de outras normas protetivas embasadas em diversas fontes. Tais infrações são comumente praticadas, em muitos casos, por pessoas ou instituições que deveriam zelar pela integridade e pela vida dessas crianças e adolescentes, quais sejam, suas famílias e instituições responsáveis pelo resguardo deles. 
Recentemente, foi disponibilizado o Mapa da Violência 2012, que aponta as principais características da evolução da violência no país, entre os anos de 1981 e 2010, resultado de uma pesquisa realizada com o apoio do Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos (Cebela) e da Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais – Sede Brasil (Flascso-Brasil), de autoria do sociólogo Júlio Jacobo Waiselfisz.
Observa-se, nesse Mapa diagnóstico, como ele mesmo se refere, o avançar, a partir de 2006, do índice de mortalidade de crianças e adolescentes por fatores externos – aqueles independentes do organismo humano, que provocam lesões ou agravos à saúde que levam à morte do indivíduo, como por exemplo, homicídio, suicídio, mortes no trânsito, quedas fatais, dentre outros, em oposição às causas naturais, pontuando o Brasil, na seara internacional, com índices preocupantes.
Importante referir que se entende por criança e adolescente, para os fins do estudo, aqueles que estão na faixa dos 0 aos 18 anos de idade. Nesse particular, registra-se que, conforme consta desse mapa, o país ocupa a 4ª posição entre 92 países do mundo analisados, no que tange a taxa de mortalidade de crianças e adolescentes por homicídio (13 homicídios para cada 100 mil crianças e adolescentes), com índices entre 50 e 150 vezes superiores a Inglaterra, Portugal, Espanha, Irlanda, Itália, Egito etc, cujas taxas não ultrapassam 0,2 homicídios em 100 mil crianças e adolescentes. 
Para fins comparativos, em 1980, esse índice era de 6,7% do total de óbitos nessa faixa etária; em 2010, a participação elevou-se para 26,5%, sendo: Acidente de transporte, responsável por 7,2% das mortes; outros acidentes – quedas, afogamento, fogo, etc., 5,2%; Suicídio, 0,9%, concentrado na faixa etária de 18/19 anos de idade; Homicídio, 11,5%; e outras violências, 1,6%.
Identifica-se, claramente, que as taxas de mortalidade infantil – crianças até um ano e menores de cinco anos -, reduziu sensivelmente, ante o trabalho conjunto nas áreas de saúde, sanidade pública e, ainda, ante o sistema educacional. Em contrapartida, na área de homicídios, aconteceu o inverso, importando registrar que somente 10% dos casos se referem à mortalidade de crianças e adolescentes do sexo feminino.
Os números são, de fato, preocupantes, demonstrando a necessidade de ações eficazes tendentes a frear esse crescimento assustador, em especial porque eles, crianças e adolescentes, serão o nosso Brasil de amanhã.


Compartilhar: OrkutTwitterFacebookE-mail

Fonte: Lizete Andreis Sebben, Desembargadora TJRS


Veja também:


Comentários

Nenhum comentário postado. Seja o primeiro!



Regras para utilização deste espaço

Este espaço é destinado a livre troca de ideias, manifestação de opiniões e interação entre os internautas. Aprovamos os comentários em que o leitor expressa a sua opinião, ainda que divergente das apresentadas por autores e/ou entrevistados em reportagens, artigos, colunas, vídeos, fotos e demais conteúdos do site.

É expressamente proibida a publicação de mensagens com conteúdo:

  • Ilegal
  • Abusivo
  • Ameaçador
  • Nocivo
  • Obsceno
  • Profano
  • Difamatório de qualquer pessoa ou instituição
  • Discriminatório de credo, raça, condição social ou orientação sexual
  • De Incitação à violência e/ou ao crime contra pessoas, instituições, países ou a patrimônio público e privado
  • Capaz de ferir a reputação de pessoas ou organizações
  • Considerado spam ou correntes de mensagens
  • De propaganda política, de produto ou serviço
  • Falso ou fraudulento
  • Que viole o direito de propriedade de uma pessoa ou empresa
  • Que finja ser de autoria de outra pessoa, famosa ou não
  • Com textos em caixa alta, ou seja, somente com letras maiúsculas. Pelo uso e costume da internet, escrever em caixa alta pode ser interpretado como agressão aos outros usuários e também aos leitores; seria o equivalente a entrar em uma sala gritando.
  • Fora do tema proposto pela notícia, artigo, coluna ou postagem. Os comentários são bem-vindos, mas devem se ater ao tema proposto na página.
  • Postado por usuários com único objetivo de gerar “bate-boca”.
  • Que divulgue informações pessoais de outras pessoas.

Consequências por infração a estas regras:

  • Infrações podem levar a exclusão do conteúdo sem necessidade de retratação por parte do site. Usuários que forem denunciados ou tiverem conteúdos retirados do ar, poderão ter seus comentários pré moderados e IPs bloqueados.
  • Mediante determinação judicial, as informações poderão ser repassadas às autoridades competentes.
  • Será considerada falta gravíssima qualquer tentativa de fraude, inclusive para prejudicar outro usuário de forma que ele seja passível de perder seu direito de acesso ao site por interdição ou exclusão.

Obs.: Infelizmente, democracia não exclui divergências: em algumas ocasiões, conversas podem causar mal-entendidos.

Postar um comentário












Código de Segurança

Ao clicar em "Postar comentário", você estará assumindo total responsabilidade sobre o conteúdo de sua mensagem, além de estar implicitamente concordando com as regras apresentadas acima. Por medidas de segurança, seu ip 50.19.74.67 também será armazenado.