NorteRS - -
 

Pontos de ultrapassagem reduzidos na RS569

Alerta aos motoristas: nos pontos modificados a fiscalização está mais intensa

15/05/2018 00:00:00

Foto Notícia Geral

O pavimento da RS 569 está sendo restaurado. O trecho que liga Sarandi a Barra Funda está praticamente concluído, faltando apenas a sinalização das linhas de do acostamento e as placas de proibido ultrapassar nos novos pontos onde a sinalização foi alterada.

A linha de sinalização central já consta demarcada e vários pontos onde as ultrapassagens eram permitidas, pontos de ampla visibilidade, estão sinalizadas com faixa continua prejudicando a velocidade de deslocamento pela rodovia e facilitando a penalização pelos agentes atuadores aos motoristas.

A obra está sobre supervisão e responsabilidade do DAER Passo Fundo. Por e-mail o NorteRS entrou em contato com o DAER a fim de esclarecer as modificações e entender o processo de restauração e foi respondido pela Assessoria de imprensa que respondeu parcialmente as questões.

DAER: Em relação aos índices de acidentes, sugiro que contate a PRF, o Daer não tem gerência sobre este tema.

Quanto a sinalização, esta rodovia está incluída no programa Crema Passo Fundo - Palmeira das Missões. O trecho de 37,42 quilômetros terá o pavimento e a sinalização renovados.

O que temos a acrescentar são sobre as seguintes questões, as demais não temos como lhe responder, pois fogem da nossa alçada.

NRS: 1. Por que foram mudados os pontos de ultrapassagem e aumentados os trechos com faixas contínua na RS?

DAER: Os pontos são definidos de acordo com a topografia da rodovia, atendendo as normas do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

NRS: 4. Quais os equipamentos de medição de visibilidade foram utilizados para demarcar a sinalização?

DAER: Não é um equipamento e sim uma norma do Contran que define a visibilidade para demarcar a sinalização em função da geometria da rodovia.

NRS: 8. Quantos quilômetros serão pavimentados, e qual a previsão de conclusão?

DAER: Serão 37,42 quilômetros. Não temos previsão de conclusão para divulgar pois o andamento dos trabalhos depende de boas condições climáticas.

NRS: 9. Qual o valor investido na obra? De quais recursos é proveniente a verba?

DAER: Serão investidos na ERS-569, 21,4 milhões junto ao Banco Mundial (Bird).

As respostas publicadas aqui foram exatamente as recebidas pelo e-mail da redação, contudo foram realizadas 11 questões em um primeiro e-mail enviado.

  1. Por que foram mudados os pontos de ultrapassagem e aumentados os trechos com faixas contínua na RS?
  2. Quais são os índices de acidente por invasão da pista oposta?
  3. Pode nos apresentar um relatório de registros de acidentes ocasionado por ultrapassagens quando estes pontos as permitiam?
  4. Quais os equipamentos de medição de visibilidade foram utilizados para demarcar a sinalização?
  5. Tem previsão para a sinalização ser concluída e a Polícia Rodoviária Estadual Iniciar a atuar com base na nova sinalização?
  6. Existe uma parceria entre o DAER e a Polícia Rodoviária Estadual que fiscaliza a via?
  7. O senhor dirige com frequência pela região, utiliza essa rodovia?
  8. Quantos quilômetros serão pavimentados, e qual a previsão de conclusão?
  9. Qual o valor investido na obra? De quais recursos é proveniente a verba?
  10. Por que a verba não foi destinada à responsabilidade da Regional Palmeira das Missões que está mais próxima da rodovia que está sendo restaurada?
  11. Gostaria de deixar uma mensagem aos motorista que utiliza a ERS 569 com frequência?

E um segundo e-mail buscando complementar as questões não foram bem esclarecidas também foi encaminhado a Assessoria de Imprensa do DAER.

1.1. O que mudou nesta norma visto que alguns trechos na antiga sinalização eram demarcados possibilitando ultrapassagem agora estão sinalizados com faixa contínua?

4.2. O que impediu a realização de melhorias nesses pontos, ampliação da via como construção de pista dupla onde a geografia proporcionou aclives?

Até o fechamento desta matéria, este e-mail não foi respondido.

O NorteRS procurou ainda a instituição responsável pela fiscalização do trecho, o Comando Rodoviário Estadual Palmeira das Missões e teve a oportunidade de conversar com o Comandante, Sargento Cassiano que salientou que existe um estudo técnico que está no manual de sinalização do DENIT: “A faixa dupla melhora acidentalidade inibindo a ultrapassagem agregada ao excesso de velocidade.” O Sargento Cassiano Reforça para todos os motoristas a importância de respeitar a sinaçização existente, tanto vertical como horizontal, bem como o uso do cinto de segurança.

Contudo, respondendo a questão n 2, não foram fornecidos a nossa equiepe os índices de acidentes por invasão a pista oposta nestes pontos.